Hoje, em comemoração ao Dia do Marista, vamos compartilhar a experiência de vocação que nosso querido Ir. João:

Estudava em um colégio, cujo irmãos maristas estavam presentes, porém era um colégio técnico pertencente ao governo. Ali, nos anos 70, comecei a usufruir do carisma marista através das aulas de Ensino Religioso e do coral, cujo responsável era um irmão marista. Num belo dia, numa aula qualquer, adentrou um irmão para falar um pouco sobre os irmãos maristas. Era um irmão que parecia um santo, uma estátua dessas de igreja, bem alto, magro, usava um sobretudo longo e preto. Suas afeições se assemelhava muito com o padre Champagnat. O nome dele era Ir. Aurélio. Sua presença e sua fala foi extremamente impactante, que até hoje lembro-me daquela manhã, como se fosse ontem. Ao final da sua fala eu já tinha sido tocado e ficou gravado em minha mente e meu coração as fotos e o trabalho que os irmãos desenvolviam na África.

Depois desse dia, comecei a prestar atenção nos demais irmãos do colégio. Um deles, bem jovem, me chamava a atenção de forma especial. Primeiro por ser jovem e em segundo por estar sempre com os alunos no recreio, com seu violão. Ao seu redor a gente ficava, escutávamos as músicas, cantávamos juntos etc. Foi a partir desse fato que entrei para o coral, conhecendo dessa forma um pouco mais os irmãos. E foi essa proximidade do irmão aos alunos no recreio, que me fez tomar uma resolução, ainda na minha adolescência: se um dia eu fosse irmão marista, queria ser igual a esse irmão, ou seja, estar junto com a juventude. E assim se deu. Em 1977 dei meu nome para ser irmão marista. Em 1980 e 1981 fiz encontros vocacionais e em 1982 entrei na casa de formação. O tempo passou muito rápido. Em 1987, no dia 21 de novembro, há 30 anos atrás eu me tornava Irmão Marista.

Desde o primeiro momento em que abracei essa vocação, até nos dias atuais, abracei a causa juvenil. E foi lá, nos  meus 12 anos de idade, que optei por ser o que sou hoje e a partir do próximo ano, fazer a experiência de ser missionário, que me calou fundo, naquele dia em que o Ir. Aurélio falou sobre as missões. Neste mês vocacional e nesse dia do marista, convido a todos a refletirem sobre suas vocações. E se você está pensando em abraçar a vida marista, eu só digo uma coisa: vale a pena! Não tenha medo de se lançar. Muitas pessoas te esperam.

Um forte abraço e um beijão no coração do sempre amigo Brother John.

Ir. João Batista Pereira