O feriado da Proclamação da República reservou muitas histórias aos 25 jovens do Laicato Marista que participaram do Retiro Itinerante. O destino era Guaraqueçaba, um belo e simpático Município localizado no litoral norte do estado do Paraná. Em três dias, 70 quilômetros ficaram para trás. As dores, bolhas, risadas, partilhas e a chuva foram as principais companheiras durante todo o percurso. Devagar, pouco a pouco, trilhamos o caminho na presença de Jesus e seus discípulos, de Maria, nossa Boa Mãe e de Marcelino, nosso Pai Fundador.

Era uma manhã chuvosa em Curitiba, aos poucos os guerreiros foram chegando no Portão 4 da PUCPR para juntos partirem em direção à Guaraqueçaba. O entusiasmo e otimismo tomou conta de todos que ali se reuniam. “Fiquem tranquilos, em Guaraqueçaba não estará chovendo e é mais quente que aqui”. Rezemos.

O grupo fez uma parada estratégica em Morretes. Hora de conhecer as belezas daquela pequena cidade e degustar seu famoso barreado. De lá, devidamente alimentados, partimos em direção ao Município de Guaraqueçaba.  Nosso primeiro dia de caminhada iniciou próximo às 16h, no quilometro 16 da PR 405. A meta era percorrer 20 quilômetros, tendo como motivação o descanso em uma cama quente e o alimento preparado com muito carinho na casa da Dona Tuta e do Seu Ivori.  Ir. Jorge Gaio conduziu a mística e as reflexões desta primeira etapa. Sob a inspiração dos discípulos de Emáus caminhamos por quase 6 horas até chegar na comunidade do Tagaçaba. As recompensas fizeram valer todo o esforço.

Amanheceu. Nada melhor do que uma boa noite de sono para revigorar as energias. Afinal, o próximo trecho seria um pouco mais longo e mais íngreme. Isso exigiria um pouco mais de nossos peregrinos. 22 quilômetros é o que tínhamos pela frente naquele dia. A chuva insistia em permanecer conosco. Seguimos com ela em direção a Comunidade do Ipanema. Neste segundo dia ganhamos uma nova companheira de caminhada. Maria. Ir. Ronaldo trouxe a presença e espiritualidade dela para nossa caminhada. Com Maria, partimos depressa para desvendar uma nova realidade e experiência no caminho.

Fomos recebidos na Igreja do Ipanema. Naquela noite lá seria nosso espaço para repor as energias. Deixamos Ipanema na manhã de segunda-feira. O sentimento de tristeza pelo início do fim já dava sinais. Era o último dia de caminhada. Faltavam apenas 25 quilômetros. Antes de chegar em Guaraqueçaba, fomos conhecer a Reserva Natural do Salto do Morato. Mesmo com chuva, seria um pecado não aproveitarmos a oportunidade. Uma natureza intocada nos dava as boas-vindas. Valeu a pena chegar até ali. Após o almoço, seguimos para Guaraqueçaba.

Como em alguns momentos da vida, muitas vezes precisamos de um auxílio, uma mão que nos ampare. O último trecho seria o mais difícil, pois nele somava-se o cansaço dos dias anteriores. A Kombi foi preciosa neste momento. Esteve conosco durante todo o percurso, mas nesse trecho, em especial, ela foi fundamental.

Chegamos em Guaraqueçaba, nosso destino final, próximo às 19h. O sentimento era de gratidão. Gratidão por tudo o que vivemos no caminho, pelos vínculos criados por meio das partilhas, pelas alegrias e histórias que juntos podemos dividir ao longo dos 70 quilômetros. Nos dirigimos até o Centro Social Marista Ir. Panini. Muitos nunca haviam estado naquele espaço, mas o sentimento era de realmente estarmos em casa. Onde houver um Marista nos sentiremos em casa.  Ali passaríamos nossa última noite.

 Com o barulho da chuva nossos peregrinos foram acordados na manhã de terça-feira. Era chegado o momento de se despedir. Antes de fechar a mala, ainda havia tempo para uma última partilha e ecos daquilo que foi o Retiro. Com o coração transbordando de alegria e gratidão nos despedimos daquela terra que nos acolheu de forma simples, singela e humilde. Guaraqueçaba.

Somos muito gratos pela presença de todos os jovens que se propuseram a viver esta experiência. Sem vocês nada disso faria sentido (se é que faz sentido caminhar 70 quilômetros a pé). Gratidão às pessoas que se dedicaram na construção da atividade, e estiveram presentes no decorrer da mesma, contribuindo em tudo no que era necessário. Gratidão às pessoas de Guaraqueçaba pela maestria na acolhida para conosco, e à Direção do Centro Social Marista Ir. Panini. De coração, somos gratos a Deus por essa rica experiência.

Até a próxima!

Setor de Pastoral | Grupo Marista