São José

mar 21
PEQUENAS VIRTUDES DE SÃO JOSÉ

PEQUENAS VIRTUDES DE SÃO JOSÉ

Postado por PJM em (in)formação

Salve, galera!

No último final de semana celebramos o dia de São José, pai de Jesus e patrono da Igreja!

O Evangelho nos conta que no momento em que Maria fica sabendo que dará a luz à Jesus, ela comunica a José. E ele, apesar de ter todos os direitos da época de denunciá-la abertamente, escolhe ser discreto.

Prefere deixá-la em segredo e preservar a sua vida.

Se pararmos para refletir sobre esse gesto, perceberemos que se trata de um ato de imenso amor. Pois, achando que havia sido enganado, apesar da dor, ele não escandaliza. Guarda no coração e opta pelo silêncio.

Deus, que não permitiria que Maria fosse julgada injustamente, pede a um dos seus anjos que se revele a José.

O quão grato ele deve ter se sentido a Deus, por saber que a sua decisão anterior era sensata e reversível.

E assim a família de Nazaré pode se preparar para receber o Cristo.

A discrição  é uma das pequenas virtudes maristas que Champagnat tanto pregava para os irmãos.

A quaresma também é um tempo de discrição, de voltar-se para dentro e de guardar no coração. Será que temos nos dado a oportunidade de estar a sós conosco e com Deus?

Que São José possa nos ensinar essa sensibilidade e prudência que ele teve com Maria e com Deus.

São José, rogai por nós!

mar 18
E agora José?

E agora José?

Postado por PJM em Viver o evangelho ,

Salve, salve galera

Hoje, adiantando um pouco a comemoração de amanhã, vamos responder a algumas perguntinhas:

Eu lhe pergunto: Quem era José?

Aí você responde: Ora, José era pai do menino Jesus.

Daí eu lhe digo: E você já pensou em José como um homem comum? Como um cara que era noivo, que recebe a notícia de que sua noiva está grávida, e que tomou como seu um filho que era do espírito santo?

Muitas perguntas né?

Vamos refletir juntos: Ele, diante dessa situação toda, iria deixá-la em segredo, pois, sendo um homem justo, não queria que Maria fosse apedrejada até a morte, porque era a pena da época.

Mas aí Deus vem e resolve a parada: Naquela noite um anjo do Senhor vem até José, em sonho, e fala que tá tudo certo, que o esse filho será o salvador do mundo e que é para José dar a ele o nome de Jesus.

Até ai, tudo bem. Mas a gente não pode esquecer que José teve que passar por outras. Ele teve que ajudar a Maria na hora do parto, afinal, só tinha ele lá. Foi o primeiro a pegar Jesus no colo e a cortar o cordão.

José foi um pai muito cuidadoso e amoroso, mas Jesus era uma criança como outra qualquer, que fazia bagunça, ficava doente e provavelmente teve que levar algumas broncas do tipo “Desce dai menino!”.

Quando Jesus tinha 12 anos, Maria e José simplesmente perderam Jesus durante a viagem. Imaginem que dois dias depois eles se encontram e dizem:

“Ué, Jesus não está com você?”

“Não. Ele não está com você?”

“Não. Pô, então ele tá aonde?”

E ai tiveram que voltar, mais dois dias, para procurar Jesus, que, muito de boa diz: “Por que vocês estavam me procurando? Onde mais eu poderia estar, se não na casa do meu Pai?”

Coisa de adolescente mesmo!

Nosso post de hoje é para lembrar a vocês que José foi um pai como outros pais, que já ficou sem saber o que fazer quando Jesus ficou doente, e que também teve medo. José contou histórias, brincou junto e também ensinou a sua profissão à Jesus.

E ai, será que você não conhece nenhum José como esse?

Os santos não estão longe da gente. Algumas vezes eles vivem dentro de nós.

Por Joyce Araújo e Laura Ferraz